FANDOM


McLaren Formula Peugeot Team

McLaren

Fundação:

1982

Fundador(es):

Ronnie Vennis

Proprietário(s):

Ronnie Vennis

Pilotos Atuais (1994)

Tony Jorge (11)

Jahr Lathpher (12]

Primeiro GP:

Grande Prêmio do Brasil de 1982

Primeira Vitória:

Grande Prêmio de San Marino de 1988

Último GP:

Grande Prêmio do Brasil de 1994

Última Vitória:

Grande Prêmio da Itália de 1990

McLaren Formula Peugeot Team é uma equipe de Fórmula Peugeot, atualmente extinta, onde hoje se chama Mercedes-Benz Motorsport Team, após a aquisição da equipe pela Daimler-Benz AG (hoje Daimler AG) em 1994. Surgiu a partir da compra da decaída Scuderia Tony Fernando em 1982 e logo em seguida, se renomeou como McLaren Formula Peugeot Team. Foi nessa equipe onde o ex-piloto Jiraiya foi revelado.

HistóriaEditar

PrimóridosEditar

No ano de 1982, a Associação Automobilística de PeugeotLândia estava em beira crise e a antiga equipe Scuderia Tony Fernando, que na época era controlada pela associação e o dirigente da associação Tony Fernando, também entrou em crise com o rompimento da parceria e demissão do Tony Fernando da associação. A crise chamou a atenção do inglês Ronnie Vennis, onde compraria a equipe e receberia um investimento pesado.

Após a compra, Ronnie Vennis conseguiu investir pesado na equipe e cancelou as demissões dos mecânicos da antiga Scuderia Tony Fernando e finalmente disputou a Fórmula Peugeot no mesmo ano, com os mesmos pilotos da antiga equipe (Carlos Torrori e Jean Carlos Ferruccio). Mas a equipe não chegou a vencer nenhuma corrida até 1987, somente com poucas pontuações em cinco anos.

O augeEditar

A partir de 1988, a McLaren investiu pesado seriamente, com a contratação do sannin Jiraiya e a renovação do Carlos Torrori na equipe. Com isso, a equipe conseguiu também investir nos motores Honda, que auxiliaram nos títulos de 1988 e 1989. Jiraiya fez o melhor para equipe, dominando os dois títulos.

Duelo Asuma X JiraiyaEditar

Em 1989, a oposta equipe, Scuderia Peugeot, apostou contra a McLaren e investiu pesado com o patrocínio da petrolífera brasileira Petrobras (onde compraria a equipe no fim de 1990) e a contraração do Asuma Sarutobi, onde custou quase todo o total que acumulou em 1989.

A McLaren, dessa vez, apostou a favor e decidiu permanecer os pilotos na equipe. Jiraiya iniciou provocando o concorrente no GP da América do Sul em Jacarepaguá com o bate-boca nos boxes. A briga prosseguiu na França em Paul Ricard, onde Jiraiya, enfurecido com as ultrapassagens do Asuma, jogou o seu carro contra o dele. Jiraiya saiu do carro após colidir na penúltima curva, mas recebeu bronca do Ronnie Vennis, para não tentar de novo, pois o carro custaria o mesmo preço da contratação do Jiraiya em 1988. Em Mônaco, a "pancadaria" continuou também nos boxes e nas ruas do Principado, pois Asuma levou a melhor. No circuito de Montréal, Jiraiya provocou ainda mais o concorrente nos boxes. Dessa vez, a bronca do Jiraiya pegou até no chefe, onde Jiraiya ameaçou o próprio engenheiro dizendo:

"Na próxima bronca em que o meu chefe me dá, eu arranco a sua cabeça e jogo na pista pelo bico dianteiro do Asuma!" -Jiraiya, no GP do Canadá.

Na última corrida, em Maués, chuvosa levemente, Jiraiya precisava permanecer nas três primeiras colocações e evitar que Asuma possa invadir as quatro primeiras colocações, onde a possibilidade do título do Jiraiya é grande. Foi assim que o Asuma decidiu colidir o seu carro contra o Jiraiya, mas falhou e bateu na mureta. A FPLA reconheceu esse truque e desclassificou Asuma Sarutobi da corrida, dando o título para Jiraiya.

No ano seguinte, multada, a Scuderia Peugeot já começou a sentir desgaste e decadência mas recebeu um empréstimo da Petrobras para recuperar e reusar o seu carro de 1989 (Peugeot PGT89B), mas bem potente e suficiente para quebrar o jejum da McLaren.

A McLaren já sabia da notícia e decidiu dar uma melhorada no carro. Com isso, a McLaren levou um susto em Interlagos, estreante do GP da América do Sul, quando Asuma liderou por todo o tempo e venceu a corrida. Esse susto não afetou Jiraiya, que reagiu no GP da Austrália, em Adelaide, vencendo a corrida. Em Mônaco, Asuma fez um bom desempenho sobre Jiraiya e venceu a corrida. Na cidade de Phoenix, Asuma e Jiraiya dominaram no circuito de rua, mas Asuma já dominou nesse jejum e "arrancou o couro" do Jiraiya.

Pós-Jiraiya, outra revelação e a decadênciaEditar

Depois de demitir o vice-campeão Jiraiya por tentativa de trapaça na temporada de 1990, a equipe começou a se sentir desgastada. Mas para tentar segurar a crise, a equipe contratou um piloto ágil, Cray Woren (futuramente personagem do Breath of Fire IV), por dois anos, para tentar ressuscitar a hegemonia da equipe. Jim Dolonhyo se renovou na equipe por mais um ano. Mas a equipe ficou sofrendo por toda temporada de 1991 com as vitórias do Asuma Sarutobi e do ex da equipe Jiraiya, ambos na novata Escuderia Petrobras, porém, a equipe voltou ao pódio no GP do Brasil com a terceira colocação do Cray na corrida. Bem que a equipe finalizou a primeira temporada da fase pós-Jiraiya na quarta colocação.

Na temporada de 1992, foi uma das piores temporadas da equipe. O carro MCL192 era muito problemático, não esforçou a equipe e fez inúmeras vezes a equipe finalizar as corridas fora do Top 10 das colocações, ter problemas mecânicos e principalmente, acidentes leves e graves, que um desses acidentes graves, prejudicou Cray Woren no GP da América do Sul. Esses problemas do carro custou o contrato do Cray e do Jim, que recusaram de renovar os contratos para a temporada de 1993. Com isso, a equipe caiu e finalizou a temporada na décima colocação.

A equipe caiu numa profunda decadência e para tentar recuperar, conseguiu um bom patrocínio da Mercedes-Benz para se manter na categoria e contratou das outras equipes, Tony Jorge e Jahr Lathpher. Porém, os motores Mercedes, fornecidas pelo seu patrocinador, reforçaram bem a equipe e pontuaram poucos, mas sem pódio. A equipe, finalizou a temporada de 1993 na sexta colocação. Porém, a equipe sofreu uma greve dos mecânicos por causa dos salários atrasados, mas foi resolvido.

Em 1994, a equipe começou a cair mais uma vez, com mais uma vez com os motores Mercedes, porém, não auxiliaram para manter na temporada daquele ano. Após o GP da Grã Bretanha, a crise da equipe agravou muito e inúmeros cortes foram feitos finaceiramente. Antes do último GP da temporada, em Maués, a equipe decidiu pôr em venda todas as suas ações, o que chamou a atenção da própria Mercedes-Benz, que desde a última corrida da empresa em 1955 pelo efeito da tragédia dos 24 Horas de Le Mans, nunca disputou a corrida no automobilismo. Após o seu último GP da história depois de 12 anos na Fórmula Peugeot, recebeu uma notícia que a Mercedes-Benz adquiriu toda a equipe, dando ponto final na história da McLaren na categoria. A equipe finalizou sua última temporada na décima segunda e última colocação.

LegadoEditar

Com a compra da Mercedes-Benz à equipe McLaren, a própria Mercedes-Benz já disputa a categoria desde 1995, trazendo inúmeros pilotos na equipe. Foi nessa equipe que Jiraiya encerrou sua carreira num acidente do GP da Áustria de 1997.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória